REFLEXÕES SOBRE O PROCESSO PENAL CONTEMPORÂNEO

VERDADE REAL VERSUS VERDADE PROCESSUAL

Autores

  • Suzidarly Ribeiro Teixeira Fernandes Universidade Federal do Tocantins
  • Andrea Cardinale Urani Oliveira de Morais Universidade Federal do Tocantins
  • Tarsis Barreto Oliveira Universidade Federal do Tocantins

Palavras-chave:

Direito Processual Penal; verdade processual; verdade real.

Resumo

O presente artigo aborda o processo penal contemporâneo, investigando a relação entre verdade real e verdade processual. Dá-se enfoque, inicialmente, à figura dos sujeitos processuais, com ênfase nos sujeitos principais (acusador, defensor e magistrado) e ao papel deles em âmbito processual. Após, são abordadas algumas acepções de verdade, mormente as distinções entre verdade formal e verdade real, acentuando-se o anacronismo dessa diferenciação, diante do caráter publicista do processo, que concede ao juiz uma postura mais ativa na produção da prova. Ao direcionar as alegações ao magistrado, as partes pretendem convencê-lo de suas teses e trazer elementos de convicção para o julgador. Na busca da verdade, há limites impostos por regras legais e constitucionais que garantem os direitos fundamentais do acusado. A verdade prevalente no processo consubstancia-se em uma verdade processual, porquanto estabelecida em âmbito processual e possível de ser alcançada pelos meios probatórios possíveis, legítimos e legalmente admissíveis.

Referências

BITTAR, Eduardo C. B.; ALMEIDA, Guilherme Assis de. Curso de filosofia do direito. 12. ed. São Paulo: Atlas, 2016.

CARVALHO, Salo de. Antimanual de criminologia. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. 7. ed. São Paulo: Ática, 1996.

CINTRA, Antônio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini; e DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria Geral do Processo. 14. ed. São Paulo: Malheiros, 1998.

FERRAJOLI, Luigi. Direito e razão: teoria do garantismo penal. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.

GOMES FILHO, Antonio Magalhães. Direito à prova no processo penal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1997.

JUNIOR, Fredie Didier; BRAGA, Paulo Sarno; OLIVEIRA, Rafael Alexandria. Curso de direito processual civil. 10. ed. Salvador: JusPodivm, 2015, vol. 2.

LIMA, Renato Brasileiro de. Manual de processo penal. 4. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.

LIRA, Roberto. Como julgar, como defender, como acusar. Belo Horizonte: Líder, 2015.

LOPES JR., Aury. Direito processual penal. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

MANZANO, Luis Fernando de Moraes. Verdade formal versus verdade material. Revista dos Tribunais. São Paulo, vol. 875, p. 432-452, 2008.

MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sérgio Cruz. Comentários ao Código de Processo Civil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000, v. 5, t. 1.

MITTERMAIER, C.J.A. Tratado de prova em matéria criminal. Campinas: Bookseller Editora, 2008.

NICOLITT, André. Manual de processo penal. 5. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014.

NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de processo penal e execução penal. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

PISTORI, Gerson Lacerda. Dos princípios do processo: os princípios orientadores. São Paulo: LTr, 2001.

RIGUETTI, Gabriel Felipe Roqueto. Processo e verdade: brevíssimas considerações sobre funções e conceitos. Revista de Processo. São Paulo, vol. 250, p. 61-90, 2015.

ROSA, Alexandre Morais da. Guia compacto do processo penal conforme a teoria dos jogos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.

TÁVORA, Nestor; ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso de direito processual penal. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.

XAVIER, Trícia Navarro. O ‘ativismo’ do juiz em tema de prova. Revista de Processo. São Paulo, v. 33, n. 159, p. 172-197, 2008.

WEDY, Miguel Tedesco. O juiz e a gestão da prova no processo penal: entre a imparcialidade, a presunção de inocência e a busca pela verdade. Revista Brasileira de Ciências Criminais. São Paulo, vol. 119, p. 201-240, 2016.

Downloads

Publicado

2021-12-31