A REVISÃO GERAL ANUAL (DATA BASE) DO SUBSÍDIO DE VEREADORES COMO DIREITO CONSTITUCIONAL NA APRECIAÇÃO DOS TRIBUNAIS DE CONTAS ESTADUAIS

Autores

  • Marcos Divino Silvestre Emílio Emilio & Alves Advocacia
  • Vinicius Pinheiro Marques

Palavras-chave:

Subsídio. Revisão Geral Anual. Apreciação. Tribunais de Contas.

Resumo

A federação brasileira está estruturada a partir de entes federativos dotados de autonomia parcial, com recursos próprios, e com atribuições direcionadas pela Constituição Federal de 1988. O município, pela sua trajetória história da construção política e constitucional do país assumiu papeis relevantes e estáveis dentro da nova sistemática constitucional. A Emenda Constitucional n. 19 de 1998, inovou inúmeros aspectos da administração pública nas suas três esferas, dentre as alterações se destaca a possibilidade de aplicação do instituto da revisão geral anual ao subsídio dos vereadores, sendo este instituto o objeto da presente pesquisa. O método empregado foi o dedutivo, com revisão de literatura, utilizando livros, artigos, documentos históricos e analisando a legislação constitucional sobre o tema, buscando ainda informações históricas do papel das câmaras municipais no cenário político e constitucional brasileiro, complementando-se a pesquisa através da análise sobre a competência e posicionamento dos Tribunais de Contas, que são favoráveis à aplicação do instituto da revisão geral anual ao subsídio dos vereadores, destacando e ainda a jurisprudência do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins, que recentemente alterou o seu entendimento a respeito da aplicação do instituo aos subsídios dos parlamentares municipais. Verificou-se que, sob a ótica constitucional, em consonância aos julgados das cortes de contas, os vereadores têm direito à revisão geral da remuneração do subsídio, como mecanismo de combate à corrosão natural do valor da moeda e do seu poder de compra.

Referências

BRASIL. Constituição Política do Império do Brazil, de 25 de março de 1824. Disponível em: <http://www4.planalto.gov.br/legislacao/portal-legis/legislacao-historica/constituicoes-anteriores-1>. Acesso em: 18 jun. 2020.

BRASIL. Constituição Dos Estados Unidos do Brasil, de 18 de setembro de 1946. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao46.htm>. Acesso em: 05 mai. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 24 de janeiro de 1967. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao67.htm>. Acesso em: 18 jun. 2020.

BRASIL. Constituição Federal, de 05 de outubro de 1988. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www4.planalto.gov.br/legislacao/portal-legis/legislacao-historica/constituicoes-anteriores-1. Acesso em: 20 jul. 2020.

BRASIL. Ato Institucional nº 02, de 27 de outubro de 1965. Brasília, DF. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/AIT/ait-02-65.htm>. Acesso em: 10 jul. 2020.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 1, de 17 de outubro de 1969. BRASÍLIA, DF. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/Emc_anterior1988/emc01-69.htm>. Acesso em: 24 jul. 2020.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 4, de 23 de abril de 1975. Brasília, DF. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Emendas/Emc_anterior1988/emc04-75.htm>. Acesso em 12 mai. 2020.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 19, de 04 de junho de 1998. Brasília, DF. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/emc/emc19.htm. Acesso em: 12 mai. 2020.

BRASIL. Lei Nº 8.443, de 16 de julho de 1992. Dispõe sobre a Lei Orgânica do Tribunal de Contas da União e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8443.htm>. Acesso em: 15 abri. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal, Plenário. Ação Direta de Inconstitucionalidade. n. 2.061-7, Distrito Federal, Relator: Min. Ilmar Galvão. Julgamento em: 25/04/2001, DJ de 29/06/2001.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal, Plenário. Ação Direta de Inconstitucionalidade. n. ADI 1.691 Distrito Federal, Relator: Min. Ilmar Galvão. Julgamento em: 25/04/2001, DJ de 29/06/2001.

BRASIL, Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade n° 1.691-7/DF (Medida Liminar). Relator: Ministro Moreira Alves. Brasília: 30 out. 1997. Disponível em: <http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=AC&docID=347214>. Acesso em: 02 jul. 2020.

BRASIL, Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário n° 494.253 AgR. Relator: Ministra Ellen Graice. Brasília: 15 mar. 2011. Disponível em: < https://jurisprudencia.stf.jus.br/pages/search/sjur189252/false>. Acesso em: 14 abr. 2020.

BRASIL, Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário n°650.898. Relator: Ministro Marco Aurelio. Brasília: 24 ago. 2017. Disponível em: <https://jurisprudencia.stf.jus.br/pages/search/sjur371895/false>. Acesso em: 14 abr. 2020.

CHACON Vamireh. RODARTE Claus. História do Legislativo Brasileiro: Câmaras Municipais. Brasília, Senado Federal, Subsecretaria Especial Interlegis. 2007.

CIGOLINI, Adilar Antônio. Ocupação do território e a criação de municípios no período imperial brasileiro. Mercator. Revista da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, v. 14, n. 1, p.7-19, jan./abr. 2015.

COELHO, Hamilton. Recomposição das Perdas Inflacionárias da Remuneração dos Servidores Públicos. Consulta n. 747.843. Revista do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais. Disponível em: < https://revista1.tce.mg.gov.br/Content/Upload/Materia/1747.pdf>. Acesso em: 08 abri. 2019.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. 21. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 32 ed. Rio de Janeiro: Forense. 2019.

FABRIS, Paulo Roberto. Um Debate Acerca da História do Município no Brasil. Dissertação (Mestrado em História Social) Ciências Sociais UFES, Vitória. Edição n.03, v.1, Junho. 2008. pp.71-95.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 5 ed. São Paulo: Editora Globo, 2012.

FILHO, Manoel Gonçalves Ferreira. Comentários à Constituição Brasileira de 1988. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2000.

FILHO, José dos Santos Carvalho. Manual de Direito Administrativo. 28 ed. São Paulo: Atlas. 2015.

MEDAUAR, Odete. Direito Administrativo Moderno. 21. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2018.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 32. ed. São Paulo: Malheiros, 2006.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Municipal Brasileiro. 16 ed. São Paulo: Malheiros, 2008.

MINAS GERAIS. Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais. Plenário. Consulta nº 772.606. Conselheiro Relator: Licurgo Mourão. AC. 22/11/2012. Disponível em: < https://www.tce.mg.gov.br/pesquisa_processo.asp. Acesso em: 12 ago. 2020.

MINAS GERAIS. Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais. Plenário. Súmula 73. 07/04/14. Disponível em:< https://www.tce.mg.gov.br/Noticia/Detalhe/67>. Acesso em 09 ago. 2020.

MORAES, Alexandre de. Constituição do Brasil Interpretada e Legislação Constitucional. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

MORAES, Weslley Samuell Rodrigues; CHAVES, Fábio Barbosa. O Município brasileiro e os consórcios públicos intermunicipais. Boletim Jurídico, Uberaba/MG, a. 31, nº 1619. Disponível em https://www.boletimjuridico.com.br/artigos/direito-administrativo/4441/o-municipio-brasileiro-os-consorcios-publicos-intermunicipais. Acesso em 23 mai. 2020.

ORDENAÇÕES MANUELINAS, Lisboa. Edição de Cândido Mendes de Almeida. Rio de Janeiro, 1870. Disponível em: <https://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/242733>. Acesso em: 10 jun. 2020.

PAUPERIO, Machado A. Introdução ao Estudo do Direito. 7 ed. Rio de Janeiro: Forense, 1986.

RODRIGUES, Juliana Silva. ALCÂNTARA, Julianna Vasconcelos de. Competência dos Tribunais de Contas estaduais acerca do julgamento das contas dos prefeitos que exercem a função de ordenadores de despesa. Revista Controle. Volume XI. Edição nº 1, Jan/Jun, 2013.

ROCHA, Cármen Lúcia Antunes. Princípios Constitucionais dos Servidores Públicos. São Paulo: Saraiva, 1999.

SANTIN, Janaína Rigo. FLORES. Deborah Hartmann. A evolução histórica do município no federalismo brasileiro, o poder local e o estatuto da cidade. Justiça do Direito. Revista da Faculdade de Direito da UPF, Passo Fundo. v. 20 n. 1 p. 56-69 2006.

SÃO PAULO. Tribunal de Contas do Estado de São Paulo. Plenário. Processo nº 3399/026/07. Disponível em: https://www.tce.sp.gov.br/processos. Acesso em: 13 ago. 2020.

SANTA CATARINA. Tribunal de Conta do Estado de Santa Catarina. Plenário. Prejulgado nº 1686, ref. CON-AM0006739/94. Disponível em: https://consulta.tce.sc.gov.br/cogNovo/asp/prejulgado.asp?nu_prejulgado=1686>. Acesso em: 25 jul. 2020.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 25 ed. São Paulo: Malheiros, 2004.

SILVA, Christine Oliveira Peter da. A Reforma Administrativa e a Emenda nº 19/98: Uma Análise Panorâmica. Revista Jurídica Virtual - Brasília, vol. 1, n. 1, maio 1999.

TRINDADE, Jonas Faviero. A Função Consultiva dos Tribunais de Contas, na Apreciação em Tese da Constitucionalidade de Leis d Atos do Poder Público,d Contributos da Teoria da Ação Comunicativa Habermasiana. In. XIII Seminário Internacional, Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea. IX Mostra Internacional de Trabalhos Científicos. Disponível em: https://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/sidspp/issue/view/77. Acesso em: 14 jul. 2020.

TOCANTINS. Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. Plenário. Processo nº 4286/2019. Disponível em: <https://www.tce.to.gov.br/e-contas/>. Acesso em: 08 jul. 2020.

TOCANTINS. Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. Plenário. Resolução nº 286/2017, ref. Processo nº 904/2017. Disponível em: <https://www.tce.to.gov.br/e-contas/>. Acesso em: 08 jul. 2020.

TOCANTINS. Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. Plenário. Resolução nº 188/2012 ref. Consulta nº 488/2012. Disponível em: <https://www.tce.to.gov.br/e-contas/>. Acesso em: 03 jul. 2020.

Downloads

Publicado

2021-12-31